5 motivos pelos quais eu prefiro o Fusioninventory em detrimento do OCS

Muito se discute nos canais de GLPI sobre qual ferramenta de inventário utilizar e porque.

Eu tenho minha preferência pessoal por experiência e gosto.

Portanto deixo aqui rapidamente quais os principais motivos que me fazem preferir e indicar o Fusioninventory em detrimento do OCS.

ESSA É MINHA OPINIÃO! NÃO QUER DIZER QUE O FUSIONINVENTORY É MELHOR DO QUE O OCS. APENAS É DE MINHA PREFERÊNCIA.

Prefiro o Fusioninventory por:

  1. Ser o serviço padrão para o GLPI
  • O GLPI possui uma integração com o Fusioninventory a anos, sendo que se você navegares pelos menus Configurar > Geral > Ativos, encontrarás em qualquer instalação zerada do GLPI a opção que integra as categorias de software diretamente pelo Fusion
  1. Não precisa de outra aplicação, outro banco de dados, outra administração de sistema
  • Diferente do OCS, o Fusion inventory não possui uma nova aplicação que exija administração de usuários, configuração, backup, bancos de dados….
  1. Ser apenas um plugin para o GLPI
  • Apenas explicando o item 2. Ele não é uma aplicação separada. É um plugin que é instalado como todos os outros.
  1. Menor complexidade de implementação
  • Instala o plugin, instala o agente e seja feliz.
  1. Ainda não ter me deixado sem nada que o OCS tenha e o fusioninventory não.

Evernote — Dica de como usar a pesquisa avançada com os lembretes

Que a pesquisa do Evernote é poderosíssima, todo mundo já sabe. Se não sabe, fique sabendo. hehehe

Para exemplificar, gostaria de compartilhar com vocês uma forma bem legal de usar as pesquisas, que podem ser salvas nos atalhos, juntamente com os lembretes.


Exemplo:

Quero saber quais são as Contas que tenho a pagar nos próximos 7 dias:


Os seguintes operadores de pesquisas são especificamente para os Lembretes:

reminderOrder:[*] — Serve apenas para listar as notas que foram marcadas com lembrete. Não é lá muito útil pois ele mostra todas as notas. Completadas ou não e que estão com um lembrete marcado.

Exemplo:

  • reminderOrder:*
  • Mostra todas as notas com um lembrete configurado



reminderTime:[data] — Mostra notas com uma data de lembrete configurado que seja igual ou posterior ao argumento dado. O sinal de menos ( — ) pode flexibilizar essa pesquisa para lembretes entre datas. Exemplo:

  • reminderTime:day
  • Mostra todas as notas com um lembrete configurado para hoje ou depois de hoje
  • reminderTime:day -reminderTime:day+7
  • Mostra todas as notas com um lembrete configurado para hoje e os próximos 7 dias



reminderDoneTime:[data] — Mostra notas com lembretes Concluídos com data igual ou posterior ao argumento dado.

Exemplo:

  • reminderDoneTime:day
  • Mostra todas as notas com um lembrete Concluído hoje
  • reminderDoneTime:day-7
  • Mostra todas as notas com um lembrete Concluído nos últimos 7 dias



Voltando ao exemplo prático dado lá em cima:

Quero saber quais são as Contas que tenho a pagar nos próximos 7 dias

Como eu uso Etiquetas para as contas a pagar, usaria a seguinte pesquisa

tag:"Contas a pagar", reminderTime:day, -reminderTime:day+7


Explicando a pesquisa

tag:”Contas a pagar” = Notas com a etiqueta Contas a Pagar

reminderTime:day = Lembretes configurados para Hoje

-reminderTime:day+7 = Excluir os lembretes configurados para mais de 7 dias de hoje

Aí é só salvar a Pesquisa e colocar ela nos Atalhos!! =D

Quer fazer upgrade ou criar tua conta no Evernote e parar de esquecer de tudo???

Configurando o agrupamento de placas de rede para Windows Server 2012 / 2012 R2 / 2016 — NIC TEAMING

Imagine o seguinte:

Você tem um servidor com mais de 1 porta de rede, você tem aplicações que utilizam extrema quantidade de banda de rede devido a arquitetura dos sistemas ou até por conexões simultâneas e digamos que 1Gb ou 10Gb representem uma quantidade baixa de largura de banda interna para acesso a esses sistemas na sua rede local.

Ou então, você quer criar um ambiente de redundância de portas de rede para, no caso de falha em uma das portas ou cabo de rede, ou patch pannel, o sistema permaneça funcionando, mesmo que com velocidade inferior aos 100% de várias portas.

Eis que para isso você pode utilizar o NIC Teaming disponível nas versões 2012 ou posteriores do Windows Server.

Seja para balanceamento de carga ou redundância a falhas, o NIC Teaming cria uma interface de rede virtual com apenas 1 endereço IP, 1 endereço MAC juntando de 1 a 32 portas físicas em 1 só.

Veja abaixo como configurar essa belezinha!!

  1. No Server Manager, clique em Local Server;
  2. No painel Properties, procure por NIC Teaming. Deverá aparecer um link Disabled ao lado. Clique nele;


  1. A janela para configuração do NIC Teaming apresenta 3 quadros 1 para mostrar os servidores que tu tens acesso para criar o agrupamento (SERVERS), 1 para mostrar os agrupamentos já criados (TEAMS) e 1 para enxergares as interfaces que estão disponíveis, no servidor, para fazerem parte de um agrupamento (ADAPTERS AND INTERFACES);
  2. Clique em TASKS, no 2º quadro (TEAMS) e em seguida em New Team;


  1. Dê um nome para o agrupamento (Team name) e selecione as placas de rede que quiseres que estejam no novo agrupamento;


  1. As configurações avançadas te permitem escolher a forma com que esse agrupamento irá trabalhar, como deixar uma placa de rede em stand-by e ser ativada apenas quando a principal falhar, ou então atribuir uma VLAN à interface, por exemplo. Mas para configurar não é necessário mexer nas configurações avançadas.


Instalando e Configurando o FusionInventory no GLPI — Configuração de agente no Windows

O Fusion Inventory é um plugin que facilita o controle de inventário no GLPI.

Ele é um fork, ou seja, uma variação melhorada, do OCS Server que se tornou a implantação de uma ferramenta desse tipo muito mais fácil, rápida e eficiente.

Para facilitar ainda mais, fiz dois vídeos mostrando como instalar e configurar o plugin FusionInventory no GLPI e também como instalar o agente em uma estação de trabalho Windows.

Melhorias do GLPI 9.2.x — Parte 1

O GLPI 9.2 saiu, a versão 9.2.1 corrigindo diversos dos bugs também já saiu e é por isso que eu chamarei essa versão de 9.2.x.

Junto com o número, a quantidade de melhorias no GLPI e funções mais perceptíveis não é pequena.

Começo aqui a citar as que mais me chamaram a atenção e que facilitam muuuito mais a nossa vida.

Melhorias na Performance

Quando se trabalha com milhares de Entidades, o GLPI se apresentava bastante lento. Agora não está mais. A Teclib’ fez testes em uma base com mais de 37.000 entidades conforme imagem abaixo.


Função Lembrar-me

Sabe quando você fecha a janela do GLPI e quando volta pra ele, precisa inserir login e senha novamente?

Pois é. A partir desta versão ele possui a opção de “Lembrar-me”. Agora não precisa inserir login e senha mais de 100x por dia para acessar o GLPI


A configuração da retenção dos cookies que seguram as sessões pode ser configurados pelo administrador do GLPI (por padrão são 7 dias).

Pesquisas salvas

As pesquisas salvas, forma com que criamos os filtros pré-configurados, ganharam um belo upgrade na visualização. Não é mais um pop-up na tela e ficou muito mais bonito facilitando criarmos filtros pré-definidos e agilizar o dia dia dos técnicos do Service Desk trabalhando no GLPI.

Para chegar nela é só clicar na estrelinha no canto superior direito.


É possível também alterar as pesquisas salvas dentro das Listas Suspensas e com o contador de chamados é possível criar alertas para quando, por exemplo, uma pesquisa contiver mais de 10 resultados, o técnico seja alertado.

Menu de pesquisas difuso

Sabe aquela função ou configuração que você está procurando mas não lembra se está no menu Configurar ou no Administração, ou se de repente não está entre as Configurações de Entidades ou Geral?

Então. O GLPI tem uma complexidade grande e muitas vezes realmente não encontramos o que precisamos rapidamente. Com a combinação de teclas [Ctrl + Alt + G] você faz a pesquisa que precisar sem sequer usar o mouse -ADORO ISSO-


OLA (Operaional Level Agreements/Acordos Operacionais de Serviço)

A guia ‘SLA’ passou a se chamar ‘Service Levels’ e ganhou uma nova aba para o Gerenciamento de OLA.

O GLPI, como software aderente ao ITIL, segue a linha de raciocínio das bibliotecas que citam os SLA e os OLA. Os OLAs são os acordos feitos entre um provedor de serviços e outro serviço da empresa.

Exemplo para entender melhor:

Uma central de serviços oferece suporte 24/7 para seus clientes e se compromete em lidar com certos tipos de incidentes em até 2 horas e solucioná-los até o próximo dia: Esta configuração é feita nos SLAs do GLPI.

Para entregar esse nível de serviço, pode ser necessário que o mesmo incidente seja escalado para 3 times internos diferentes (dependendo de localização de cliente, serviços envolvidos, natureza do incidente…). Cada time se compromete em lidar com a sua demanda em no máximo 15 minutos e encaminhar sua solução à central de serviços em até 1 hora: Isto é um OLA.


A equipe de desenvolvimento tem noção de que a tela de chamados está ficando um pouco poluída com tanta informação e estão tratando isso como prioridade no futuro. Melhorar essa visão.

Além disso, a aba de estatísticas dos chamados apresenta uma nova linha do tempo mostrando os principais passos do ciclo de vida do chamado.


Se alguma data de SLA ou OLA é estourada, fica em vermelho.


Melhorias nos editores de texto rico

É possível colar imagens diretamente no corpo de chamados e artigos da base de conhecimento quando a função de text-rico está ativa.


O que são as pilhas do Evernote e por que usá-las?


Se você utiliza o Evernote a algum tempo já deve ter colecionado uma série de Cadernos para cada assunto que achou que deveria criar um caderno.

Apesar de eu não recomendar o uso infinito de cadernos, afinal eles não são infinitos, posso dizer que existe uma forma interessante de melhorar a organização dos inúmeros cadernos criados: Pilhas.

As Pilhas são coleções de cadernos. Gosto de usar a relação com o mundo físico quando falo da estrutura do Evernote. Os cadernos possuem “folhas” de papel que são as Notas e quando queremos agrupar vários cadernos por assunto ou então por organização, fazemos o que? Exatamente. Uma Pilha de Cadernos.

Sendo assim, entenda que não há meio algum de se inserir um caderno dentro do outro, correto? E tecnicamente também não é possível inserir uma pilha dentro da outra, afinal, viraria uma pilha ainda maior e não uma pilha e sub-pilha.

Mas, voltando ao assunto, você pode compartilhar Notas e Cadernos mas não pode compartilhar uma pilha. Cada um pode realizar essa configuração como bem desejar.

Como Criar Pilhas no Evernote


Android: Abra a lista de Cadernos e toque e segure o dedo sobre o caderno que você gostaria de mover para uma pilha. Selecione Mover para Pilha ou Mover para nova pilha.

iOS: Abra um caderno e toque no Menu de opções (3 pontos) > Configurações de Caderno > Pilha. Você pode então criar uma nova Pilha com o nome desejado ou selecionar uma Pilha existente.

Mac e Windows: Para criar Pilhas no aplicativo desktop para Mac ou Windows, arraste um caderno sobre outro. Isso criará uma nova pilha de cadernos. Para adicionar um caderno a uma pilha existente, apenas arraste o caderno sobre a pilha.

Web: Abra sua lista de cadernos. Arraste um caderno sobre o outro. Uma mensagem aparecerá lhe pedindo um nome para essa nova pilha. Para adicionar um novo caderno a uma pilha já existente, apenas arraste o caderno sobre a pilha.

Por que usar Pilhas no Evernote?

Pilhas tornam a organização dos seus cadernos mais simples. Você pode criar pilhas por tema, assunto, grupo de afinidade, projeto.

Digamos que você tenha um projeto de reforma de uma casa com várias áreas de conhecimento ou departamentos que trabalham em um caderno para cada assunto, mas o projeto é o mesmo — você pode criar um caderno a sala de estar, um caderno para a cozinha e um caderno para o pátio. Em seguida você pode criar uma Pilha com o nome do projeto para juntar todos esses cadernos.

Cadastre-se agora no Evernote

Máquinas ou Seres Humanos?


No meu dia a dia dando apoio a profissionais de serviços na área de Service Desk, GLPI, gestão de serviços e projetos vejo muito a seguinte frase.

“Mostrei pro meu líder qual seria a melhor opção mas ele não quer saber. E como é ele que manda… “

Dentre diversas variações dessa frase acima, todas me deixam um pouco triste e cético a respeito de que tipo de profissionais estão sendo formados nas universidades e corporações.

Pessoas são contratadas para seguir ordens apenas? Pessoas devem ser apenas peças de uma grande “máquina”? Ou devem ser seres pensantes aptos a questionar baseando-se em experiência, estudos e práticas?

É lógico que existem decisões que precisam ser rápidas, cautelosas muitas vezes e que arriscar não é uma opção. Mas aí é que entra a única habilidade na qual uma máquina não pode substituir os seres humanos. Empatia, sensibilidade diante de situações adversas, capacidade de avaliar um todo para sugerir ou agir da melhor forma para cada momento. Não há máquina capaz de tomar decisões que exijam tais habilidades humanas. Nem a IA ainda não conseguiu chegar a esse ponto. A propósito a IA precisa que um ser humano ensine isso a ele.

Mas voltando ao assunto. Por que somos doutrinados a apenas “ouvir e acatar aos nossos líderes”?

Líderes são seres humanos, são passíveis a erros e devem sempre estarem disponíveis a ouvir o que seus liderados tem a dizer. Ideias são para serem colocadas em cheque e em prática caso sejam boas.

Ao líder, é plausível que ao menos ouça e pense se a ideia não é válida. Debater é, no mínimo a melhor demonstração de que você quer resolver problemas da forma mais eficiente possível.

Aos liderados, não tenha medo de questionar. Aliás, questione sempre!! É o que digo para as pessoas com quem trabalho. Questione, proponha, aja!!

Máquinas são apenas máquinas. Habilidades humanas bem utilizadas, jamais serão substituídas.

GLPI 9.2, atualizar ou não? — ATUALIZADO

O texto abrange a data de lançamento do GLPI 9.2. Hoje 2/2/2018, a realidade é outra e sugiro veementemente a atualização para a versão 9.2.1.

Como todos devem estar sabendo e acompanhando, mas caso não esteja, a versão 9.2 do GLPI saiu a algumas semanas e trouxe muita coisa legal. OLA, Melhorias bem bacanas na base de conhecimento, melhorias no processo de login e de guardar a sessão, notificações no browser via Ajax, pesquisa otimizada no estilo Spotlight do Mac, telemetria, possibilidade de linkar modelos de tarefas diretamente em um modelo de chamado… Tem coisa boa demais aí!!

Mas, e aí Arthur, vale a pena atualizar??

Minha opinião:

Segura aí, peão. Tem pelo menos 30 bugs sendo tratados para a versão 9.2.1, alguns plugins não estão 100% funcionais para a nova versão e essas novas funções todas, ainda estão em fase de documentação pela comunidade. Em um ambiente de produção de alta performance eu ainda sugiro manter a 9.1.3 que me parece estar mais estável e funcional.

Quer brincar com a 9.2? Sobe uma base de prototipagem com um dump do teu banco e vai brincando. Simula a atualização e simula situações do teu dia-dia observando as novas melhorias da versão mais esperada de 2017!!

Mas se estiveres com aquele espírito de porco e louco pra “ver o que dá”, manda bala. Mas saiba que podem surgir problemas ainda não reportados. E caso eles aconteçam, please. Para a comunidade, reporte no https://github.com/glpi-project/glpi/issues, Obrigado, De nada!!

Post do site oficial sobre a nova versão e algumas figurinhas =D

GLPI — Bloqueio de título e descrição de chamado para o requerente

Na atualização 9.1.5 do GLPI, os usuários requerentes passaram a poder se auto atribuir como responsáveis pelo chamado e obter acesso a comentários privados e outras informações que são de posse apenas da equipe interna da Central de Serviços. Rapidamente a Teclib lançou uma versão corrigindo esse bug de segurança.

Acontece que ao passo que percebemos esse erro, boa parte dos administradores do sistema também percebeu um comportamento desconhecido pela maioria.

É possível que o usuário requerente do chamado realize alterações no chamado, logo após a abertura do mesmo.

Fui investigar já que na versão 9.1.6, que corrigiu um grave bug, não havia “corrigido” esse comportamento.

É um comportamento normal desde, pelo menos, a versão 0.85.x, a qual realizei testes. O chamado é de propriedade total do usuário que está solicitando o atendimento. É possível que ele realize as alterações necessárias.

Aí você me pergunta. Mas e se depois que algum técnico realizar o atendimento, o usuário for lá e alterar a requisição. Ótima pergunta.

  1. Os campos só ficam editáveis ATÉ que um técnico ou grupo seja ATRIBUÍDO ao chamado;
  2. O chamado mantém histórico das alterações de quem, o que e quando alterou no chamado.

Dessa forma, traz a segurança necessária para o suporte assumir que o chamado que ele começar a atender é o que irá até o fim. Obviamente adaptações à solicitação primária podem ser realizadas durante o atendimento através dos Acompanhamentos. Mas a solicitação inicial e descrição se mantém a mesma do momento em que o técnico iniciou o processo de atendimento até o final.

Sendo assim, o problema da 9.1.5 era apenas com a possibilidade de que o requerente se atribuísse como analista técnico. Solucionado na 9.1.6.

Obs.: Se, ao atribuir um técnico os campos são bloqueados, tu podes criar uma regra que atribua um grupo técnico ou um técnico para todo chamado aberto. Mas aí tu perde outros indicadores como o Tempo para aceitar o chamado.

Mas isso é assunto para outro post.

Um abraço a todos